Imprima aqui seu certificado de participação
Ir para o topo
1º Seminário Elas nas Exatas

DATA: 19/03

LOCAL: Museu do Amanhã
Praça Mauá, s/n, Rio de Janeiro/RJ

Imprima aqui seu certificado de participação
Realização

Sobre o Seminário

Qual é a importância da promoção da equidade e do enfrentamento das desigualdades e das discriminações de gênero para o desenvolvimento de políticas públicas educacionais?

O 1º Seminário Elas Nas Exatas anfitriará diálogos entre especialistas, estudantes e gestores em educação sobre a importância da promoção da equidade e do enfrentamento das desigualdades e das discriminações de gênero como elementos fundamentais a serem considerados nas políticas públicas educacionais.

Até pouco tempo atrás a questão da inserção das jovens estudantes nas carreiras de ciências exatas era pouco explorada no cotidiano escolar. Contudo, pelo surgimento de iniciativas como o Edital Gestão Escolar para Equidade: Elas Nas Exatas e de outras diversas ações o tema tem ganhado repercussão nacional. Coletivos de jovens estudantes têm ganhado visibilidade, a imprensa tem dado espaço para o tópico e tem surgido campanhas para estimular o interesse da sociedade e das meninas pelas áreas STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics).

O evento pretende, portanto, incidir no campo da educação pública, em específico no avanço de uma agenda que fortaleça o interesse, a participação e a permanência de jovens mulheres nas ciências.

Programação 19 de março

9:00
Recepção
9:30
Mesa de abertura
Amalia Fischer - ELAS Fundo de Investimento Social
Nadine Gasman - ONU Mulheres
Ricardo Henriques - Instituto Unibanco
Sandra Unbehaum - Fundação Carlos Chagas
10:00
PAINEL 1 - O cenário das políticas educacionais para o alcance da equidade de gênero: a questão das mulheres nas ciências
Apresentar e refletir sobre o contexto internacional e nacional da participação feminina nas trajetórias STEM (Science, Technology, Engineering and Mathematics) e traçar um panorama das políticas educacionais do Ensino Médio para o enfrentamento de tal cenário.
Alice de Paiva Abreu - UFRJ
Gloria Bonder - Cátedra Regional da UNESCO sobre Mulheres, Ciência e Tecnologia
Coordenadora: Katemari Rosa - UFBA
12:00
INTERVALO
14:00
PAINEL 2 - Desigualdade de gênero na educação: do que estamos falando?
Refletir sobre o que significa falar de gênero na educação, conversar sobre comportamentos machistas e sexistas, discriminações e estereótipos, misoginia, etc., e discutir como essas desigualdades são construídas, se expressam e por que devem ser desconstruídas.
Sandra Unbehaum - Fundação Carlos Chagas
Suelaine Carneiro - Geledés Instituto da Mulher Negra
Coordenadora: Rosana Heringer - UFRJ
15:30
RODA DE CONVERSA - Experiências de ensino-aprendizagem para a equidade de gênero e a inserção das jovens mulheres nas exatas
Dialogar sobre as experiências de jovens mulheres no campo das exatas, além de abordar metodologias de ensino-aprendizagem que considerem a equidade (gênero, raça e outras) como fator determinante para transformações substantivas na educação pública brasileira
Cristina Luz - Desprograme
Fernanda Monteiro - Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia de São Paulo
Georgina Freitas Serres - Engenheiras da Borborema
Márcia Barbosa - UFRGS
Natália Oliveira - UFPE
Coordenadora: Sabine Riguetti - Data14
17:30
ENCERRAMENTO

Palestrantes

  • ALICE DE PAIVA ABREU

    ALICE DE PAIVA ABREU

    Professora Emérita da UFRJ desde 2009, é Doutora em Ciências Sociais pela USP (1980), e Mestre em Sociologia pela LSE da Univ.de Londres (1971). Sua carreira acadêmica esteve toda vinculada ao IFCS da UFRJ, onde se aposentou como Professora Titular de Sociologia. Ocupou outros cargos no Brasil e no exterior: Vice-Presidente do CNPq, Diretora do Escritório de Educação e Ciência e Tecnologia da OEA; Diretora do Escritório Regional da América Latina e Caribe do ICSU; Diretora do GenderInSITE, um programa internacional para promover a questão de gênero em ciência, inovação, tecnologia e engenharia.

  • AMALIA FISCHER

    AMALIA FISCHER

    Mexicana-nicaraguense, radicada no Brasil desde 1995, Amalia E. Fischer P. é pesquisadora e ativista pelos Direitos das Mulheres desde 1975. Socióloga, doutora em Comunicação e Cultura pela UFRJ, foi professora na Universidade Nacional Autônoma do México, onde cofundou o Centro de Estudos da Mulher. Fellow Ashoka e Synergos. Idealizadora, cofundadora e coordenadora geral do Fundo ELAS. Cofundadora da International Network of Women’s Funds, da Rede de Esporte pela Mudança Social do Brasil e da Rede de Fundos pela Justiça Social do Brasil.

  • CRISTINA LUZ

    CRISTINA LUZ

    Desenvolvedora Full-Stack, apaixonada por tecnologia e pelas transforma que ela faz na vida das pessoas, ativista social na questão de inclusão da diversidade e equidade de gênero, trabalha como evangelista na PHP Women, co-organizadora do Women Dev Sum e Fundadora do Desprograme uma organização que busca democratizar a programação e inclusão da diversidade na tecnologia.

  • FERNANDA MONTEIRO

    FERNANDA MONTEIRO

    Pesquisadora independente de tecnologias de impacto social, fotógrafa e artista digital, cujo campo de pesquisa abrange filosofia, urbanismo, neuropsicologia e sociologia através das perspectivas tecnopolíticas e intersecções sociais. Interessada em multisensorialidade, exploração urbana periférica, feminismos e inteligência artificial, apaixonada por criação e mudança e semeadora de diversas iniciativas em tecnologia focadas em diversidade étnica e de gênero, em especial Marialab e InfoPreta. No momento atua na Secretaria Municipal de Inovação e Tecnologia (SMIT), na coordenação de tecnologia e operações da Rede Fab Lab Livre SP.

  • GEORGINA FREITAS

    GEORGINA FREITAS

    Engenheira Eletricista com mestrado e doutorado em Engenharia Elétrica concluídos na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Foi professora do Instituto Federal da Paraíba (IFPB) por dois anos e, atualmente, é pesquisadora e bolsista de pós-doutorado vinculada a UFCG desenvolvendo projetos de pesquisa nas áreas de Instrumentação Eletrônica, Modelagem eletromagnética e projetos de circuitos de alta frequência. Além dos projetos de Pesquisa na área de Engenharia Elétrica, atua em projetos que têm como foco estimular o interesse de alunas do ensino médio pelos assuntos ligados as ciências exatas. Colabora com o do grupo estudantil Mulheres na Engenharia (Women in Engineering – WIE) da UFCG desde sua fundação em 2015 e foi coordenadora do Projeto Engenheiras da Borborema nos anos de 2016 e 2017. Recentemente, assumiu um cargo na diretoria do WIE Profissional Seção Bahia, que representa a região Nordeste junto à organização Internacional IEEE.

  • GLORIA BONDER

    GLORIA BONDER

    Psicóloga, pesquisadora e ativista sobre gênero argentina. Fundou, em 1979, o Centro de Estudos da Mulher (CEM) e a pós-graduação e especialização em Estudos da Mulher na Faculdade de Psicologia da Universidade de Buenos Aires. É diretora na área de Gênero, Sociedade e Políticas da FLACSO. Foi nomeada coordenadora do grupo de Trabalho Internacional Mulheres e TICs no âmbito das Nações Unidas e diretora da Cátedra Regional UNESCO "Mulheres, Ciência e Tecnologia". Integra o conselho assessor de Aliança Global para as tecnologias da informação e comunicação e desenvolvimento das Nações Unidas.

  • KATEMARI ROSA

    KATEMARI ROSA

    Graduada em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestra em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), mestra em Educação Científica pelo Teachers College e doutora em Educação Científica pela Columbia University. Atualmente, é professora-adjunta da UFBA. Possui experiência em pesquisa de ensino de física e formação de professoras e professores de física.

  • MARCIA BARBOSA

    MARCIA BARBOSA

    Possui graduação (1981), mestrado (1984) e doutorado (1988) em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É professora titular da UFRGS e membro titular da Academia Brasileira de Ciências. Possui experiência na área de Física e, por seu trabalho “anomalias dinâmicas da água”, ganhou o prêmio L’óreal e Unesco de Mulheres nas Ciências Física e o prêmio Cláudia em ciência, ambos em 2013. Ganhou, em 2009, a Nicholson Medal dada pela American Physical Society pela sua atuação em questões de gênero na ciência. Pelo trabalho junto à pós-graduação recebeu o Prêmio Anísio Teixeira da Capes. Atua como membro da diretoria da Academia Brasileira de Ciências.

  • NADINE GASMAN

    NADINE GASMAN

    Nadine Gasman. M.D., PH.D é a representante do Escritório da ONU Mulheres no Brasil. Foi diretora da Campanha do Secretário-Geral das Nações Unidas UNA-SE pelo Fim da Violência Contra as Mulheres para a América Latine e o Caribe. Ingressou nas Nações Unidas como representante do Fundo de População das Nacões Unidas (UNFPA) na Guatemala em 2005, onde apoiou os governos local e nacional, organizações da sociedade civil e setor privado no avanço dos direitos sexuais e reprodutivos e saúde reprodutiva, bem como nas questões de gênero, população e desenvolvimento, sendo pioneira no trabalho do UNFPA em relação às adolescentes indígenas. Mais informações www.onumulheres.org.br/curriculum-vitae-dra-nadine-gasman

  • NATALIA OLIVEIRA

    NATALIA OLIVEIRA

    Natália é perita bióloga, com doutorado em Biologia Aplicada à Saúde da UFPE, durante o qual realizou o doutorado sanduíche na Universidade de Cambridge em 2015. Amante das artes, também é atriz e co-fundadora da companhia de teatro Máquina dos Sonhos, com a qual fez apresentações em festivais de teatro locais e nacionais, tendo se juntado recentemente ao coletivo de dança Vogue 4 Recife. Atualmente, dedica-se a pesquisas para o desenvolvimento de tecnologias aplicadas às Ciências Forenses, que conta com a parceria da Polícia Civil de Pernambuco e a Polícia Federal.

  • RICARDO HENRIQUES

    RICARDO HENRIQUES

    Superintendente Executivo do Instituto Unibanco. Economista, foi Secretário Nacional de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Ministério da Educação e Secretário Executivo do Ministério de Desenvolvimento Social. No Rio de Janeiro, foi secretário estadual de Assistência Social e Direitos Humanos e presidente do Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos. Presidiu o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro e a Conferência de Educação na 34ª Conferência Geral da Unesco (2008). Foi membro do Conselho de Administração do IIEP/Unesco e é membro dos conselhos da Anistia Internacional Brasil, Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, Gife, Instituto Natura, Sou da Paz e Todos pela Educação.

  • ROSANA HERINGER

    ROSANA HERINGER

    Doutora em Sociologia (IUPERJ), Vice-Diretora da Faculdade de Educação da UFRJ (2016-2019). É professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação e dos cursos de graduação da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FE/UFRJ). Coordenadora do LEPES - Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação Superior, da faculdade de Educação da UFRJ. É conselheira do Fundo Elas de Investimento Social. Integra o Conselho da Campanha Latino-Americana pelo Direito à Educação (CLADE-Brasil) e do IBASE.

  • SABINE RIGUETTI

    SABINE RIGUETTI

    Jornalista pela Unesp, tem mestrado e doutorado em Política Científica e Tecnológica pela Unicamp, onde atua como pesquisadora associada em projetos na área de cultura científica e avaliação de ensino superior. Foi jornalista de ciência e de educação por cinco anos na Folha de S.Paulo onde criou o RUF - Ranking Universitário Folha. Desde 2015, quando montou a consultoria acadêmica Data14, é jornalista colaboradora do jornal, assina a coluna on-line Abecedário e segue no comando do RUF. É docente convidada da Unicamp na pós-graduação em jornalismo científico do Labjor, da Folha de S.Paulo no treinamento de novos jornalistas em ciência e da graduação da FGV-SP em políticas públicas de educação.

  • SANDRA UNBEHAUM

    SANDRA UNBEHAUM

    Graduada em Sociologia pela Universidade Estadual de Londrina em 1991, mestra em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP) em 2000 e doutora em Educação em 2014 pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Iniciou sua formação como pesquisadora da Fundação Carlos Chagas em 1995, e coordena, desde 2009, o Departamento de Pesquisas Educacionais (DPE).

  • SUELAINE CARNEIRO

    SUELAINE CARNEIRO

    É socióloga, mestre em educação, coordenadora do programa de educação de Geledés, que tem foco nos seguintes temas: educação como um direito humano; educação anti-racista e anti-sexista; feminismo, educação das relações raciais; gênero e educação; educação e direitos humanos. Autora de publicações sobre: violência racial; Promotoras Legais Populares; gênero e educação; educação e intolerância religiosa; educação no sistema prisional; educação em situações de emergência; violência doméstica.

Local

Museu do Amanhã
Praça Mauá, s/n, Rio de Janeiro/RJ

Materiais

PAINEL 1 - O cenário das políticas educacionais para o alcance da equidade de gênero: a questão das mulheres nas ciências

Alice de Paiva Abreu - UFRJ

Gloria Bonder - Cátedra Regional da UNESCO sobre Mulheres, Ciência e Tecnologia

PAINEL 2 - Desigualdade de gênero na educação: do que estamos falando?

Sandra Unbehaum - Fundação Carlos Chagas

Suelaine Carneiro - Geledés Instituto da Mulher Negra

RODA DE CONVERSA - Experiências de ensino-aprendizagem para a equidade de gênero e a inserção das jovens mulheres nas exatas

Márcia Barbosa - UFRGS

Contato

ASSESSORIA DE IMPRENSA

CRISTINA FERNANDES DE SOUZA
(11) 2126-7469
cristina-fernandes.souza@institutounibanco.org.br


LUCIANA BENTO
(21) 98103-7215
lucianabento@pautapositiva.com.br

RENI TOGNONI
(11) 2579-5520
reni@analitica.inf.br


INSTITUTO UNIBANCO
instituto.unibanco@institutounibanco.org.br

ONU Mulheres
onumulheres@unwomen.org

Em 2015, a parceria tripartite entre Instituto Unibanco (IU), ELAS Fundo de Investimento Social e Fundação Carlos Chagas (FCC) lançou o edital Gestão Escolar para Equidade: Elas nas Exatas. Esta articulação de diferentes conhecimentos nos campos de educação e gênero mobilizou diversos atores como escolas, organizações de mulheres e universidades e apoiou projetos em todo o país. O edital tem o objetivo de estimular a inserção das meninas nas áreas de ciências tecnológicas e exatas por meio da promoção da equidade de gênero na última etapa da Educação Básica e do reconhecimento da escola como um espaço estratégico na promoção dessa transformação. Na edição de 2017, o Elas nas Exatas conta também com o apoio da ONU Mulheres. Saiba mais em www.fundosocialelas.org/elasnasexatas/edital

Realização